O COVID-19 tem alterado os fatores que tornam o setor de viagens e turismo de um país competitivo, com capacidade sanitária e ofertas de viagens digitais que estão se tornando cada vez mais importantes.


Nova York, EUA, 15 de julho de 2020 – Uma análise do Fórum Econômico Mundial revela que alguns pontos considerados fortes do turismo da América Latina e do Caribe são hoje menos importantes do que antes a pandemia do COVID-19 para uma economia turística competitiva. O surgimento e disseminação da pandemia COVID-19 alterou os fatores que tornam o setor turístico de um país competitivo. Certos fatores, como capacidade sanitária e ofertas de viagens digitais, estão se tornando mais importantes durante a pandemia. Hoje, outros, como a abertura internacional, uma grande fortaleza na América Latina, são menos importantes.

Antes do surto de COVID-19, a região da América Latina e do Caribe estava melhorando sua competitividade turística, mas a maioria de suas economias permaneceu abaixo da média global. O declínio do turismo dá aos formuladores de políticas e líderes empresariais da região a oportunidade de rever suas práticas e políticas turísticas, especialmente em relação a infraestrutura e desenvolvimento turístico insustentável, que representam riscos específicos para a resiliência do turismo a longo prazo na região.

De acordo com as declarações de Christoph Wolff, diretor de mobilidade do Fórum Econômico Mundial: “O COVID-19 teve um impacto sério nas viagens e no turismo, onde até algumas partes do setor tiveram que efetivamente defender o encerramento total das atividades”. “Dado que o turismo é responsável por quase 10% dos empregos em todo o mundo, é importante que os países tomem medidas rigorosas para garantir que seu turismo seja competitivo e pronto para se recuperar em paridade com a reversão de medidas contra o COVID-19 e a retomada das atividades pelos países.”

Na América Latina, essas mudanças na competitividade das viagens são particularmente problemáticas. A Europa e outros países com recursos de saúde mais abundantes são mais propensos a conter e gerenciar casos COVID-19 do que outros países com recursos de saúde menos desenvolvidos, o que pode acelerar a reabertura segura de seu setor turístico. Atualmente, os números de leitos em hospitais da América Latina e caribe são especialmente baixos, com 42% menos leitos em comparação com a média global, o que tem dificultado muito a capacidade de reabertura da região.

Da mesma forma, o aumento da disponibilidade de TIC permitirá que as empresas de turismo e seus parceiros da cadeia de suprimentos forneçam mais serviços digitais, uma vantagem crescente quando as interações interpessoais são limitadas. Os componentes da competitividade, como um ambiente de negócios e mercados de trabalho favoráveis, também podem atuar como estímulos do lado da oferta, gerando alívio e acelerando a recuperação.

O Conselho Mundial de Viagens e Turismo estima que a indústria de viagens e turismo é responsável por 10,2% do PIB na região latino-americana e caribenha. Em alguns países, como a Jamaica, o turismo é responsável por uma porcentagem muito maior do PIB. A atual recessão está tendo um grande efeito sobre as economias que dependem fortemente do turismo.

Apesar da recessão, as perspectivas de longo prazo continuam animadoras, uma vez que o crescimento das viagens e do turismo tem superado consistentemente o PIB global na última década. Embora a região se beneficie da riqueza de seus recursos naturais e melhorias na abertura internacional, ainda existem inúmeros obstáculos, incluindo condições desfavoráveis de negócios, condições de segurança e proteção, lacunas de saúde e higiene, infraestrutura subdesenvolvida e problemas ambientais.

Os países da América Latina e do Caribe podem dedicar esse tempo revisando seus projetos de promoção turística e forjando um setor melhor no futuro. Por exemplo, há oportunidades dentro de sua lacuna de infraestrutura. Boas comunicações aéreas são cruciais para a competitividade das viagens na América Latina. O confinamento causado pela pandemia desacelerou ainda mais os projetos de infraestrutura, mas também oferece uma oportunidade para os países da região revisarem seus projetos de desenvolvimento e concentrarem sua atenção nas áreas mais críticas. A construção de infraestrutura para um melhor equilíbrio entre o turismo e a demanda local será de particular importância.

Melhorar a competitividade das viagens e do turismo requer colaboração entre os setores público e privado. Além disso, os stakeholders devem reconhecer a necessidade de considerar a sustentabilidade ambiental e socioeconômica em suas tomadas de decisão. Estratégias que se concentram apenas em impulsionar a demanda turística de curto prazo têm o potencial de enfraquecer a resiliência a longo prazo da indústria de viagens e turismo.

Ao otimizar sua competitividade turística, os países da região latino-americana e caribenha podem contribuir para a sobrevivência e recuperação da indústria de viagens e turismo, reconstruídas ainda mais fortemente a partir dos efeitos causados pelo COVID-19.

Em abril, o Conselho Mundial de Viagens e Turismo (WTTC) estimou que a região da ALC poderia perder US$ 110,2 bilhões de dólares em T&T devido à crise, o que representa uma queda de mais de 30% no PIB de T&T, comparado a 2019. Dado que direta e indiretamente a atividade de T&T representou 9,2% dos empregos e 10,2% do PIB nos 21 países abrangidos por este relatório, o bem-estar econômico da indústria está fortemente entrelaçada com a bem-estar da região.

Sobre o Relatório de Competitividade – Setor de Viagem & Turismo – Fórum Econômico Mundial

Publicado bienalmente, o Travel & Tourism Índice de Competitividade (TTCI) avalia a competitividade do setor de viagens e turismo (T & T) de 140 economias e mede “o conjunto de fatores e políticas que possibilitam a sustentabilidade e desenvolvimento do setor de T & T, que por sua vez, contribui para o desenvolvimento e competitividade de um país”. O índice é composto por quatro subíndices, 14 pilares e 90 indicadores individuais. As pontuações estão relacionadas à diferença entre os 2017e resultados do índice de 2019.

Entre os países analisados na região da América Latina e Caribe em ordem alfabética são: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, Jamaica, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Trinidad e Tobago, Uruguai e Venezuela. O Haiti foi adicionado no relatório de 2019, enquanto Barbados foi excluído devido a dados insuficientes.O Fórum Econômico Mundial, empenhado em melhorar o estado do mundo, é a organização internacional de cooperação público-privada O Fórum está envolvido por líderes políticos, empresariais e outros líderes da sociedade civil para moldar agendas globais, regionais e profissionais. (www.weforum.org).www.weforum.org).