O projeto que tem apoio de entidades como IBAMA, ENGIE Jaguara, Instituto Brasileiro de Meio Ambienta, Hidrelétrica de Igarapava e Prefeitura Municipal de Rifaina projeto ganha corpo para estabelecer novas metas e desafios.

Idealizado pelo biólogo e diretor do departamento de meio ambiente de Rifaina, Felipe Baraldi falou com entusiasmo a nossa equipe que esteve na casa de cultural de Rifaina onde o projeto foi lançado oficialmente.

O programa tem como objetivo desenvolver Políticas Públicas de atividades de educação ambiental e incentivar a prática do turismo ecológico, além de contribuir com a pesquisa científica, conservação dos ambientes naturais e proteção da biodiversidade dentro da agenda da sustentabilidade

A observação de aves, é uma atividade de lazer que também contribui para a conservação dos ambientes naturais e para a educação ambiental e científica. A atividade de observar aves, também é chamada de “passarinhar” ou, em inglês, birdwatching e birding.

Felipe ressalta a importância do projeto no sentido de formar e estabelecer uma ciência cidadã que se baseia na participação informada, consciente e voluntária, de milhares de cidadãos que geram e analisam grandes quantidades de dados, partilham o seu conhecimento, discutem e apresentam os resultados. Além disso, ele enfatizou o levantamento qualitativo e quantitativo das espécies que ocorrem em Rifaina através de pesquisas científicas.

O Município de Rifaina possui um total de 6.219,45ha de vegetação nativa, ou seja 35,39% do seu território, onde a vegetação predominante é do Bioma de Cerrado em suas variadas fisionomias e, possuindo ainda, áreas de transição para o Bioma de Mata Atlântica, fisionomia de Floresta Estacional Semidecidual, caracterizando como áreas de Tensão Ecológica. Dados apresentados sobre espécies registradas em Rifaina:

registradas: 220 | com foto: 220 | com som: 13 Total de registros: 1251 | Total de sons: 13 | Observadores: 6

ARTIGO CIENTÍFICO

Caracterização da Avifauna do Baixo Sapucaí Mirim e Grande. 331 espécies, 14 ameaçadas

A pesquisa foi baseada em dados secundários de estudos acadêmicos realizados e dados fornecidos para CETESB (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), dados estes coletados através de Estudos de Impactos Ambientais (EIA) e Relatórios de Impactos Ambientais (RIMA) realizados na região.